Mudanças climáticas estão aumentando população de aranhas-lobo no Ártico

As aranhas são importantes para diversos ecossistemas terrestres. Elas se alimentam de outros pequenos invertebrados ajudando a manter o equilíbrio da vida na Terra.

Mudanças climáticas estão aumentando população de aranhas-lobo no Ártico
Foto: Amanda Koltz.
Escrito por: Ms Redação 09 de setembro de 2018 09h15 Comentários

Muitas pessoas acham as aranhas animais perigosos e sem função alguma no planeta Terra. Mas isso é um engano. As aranhas são importantes para diversos ecossistemas terrestres.

Elas se alimentam de outros pequenos invertebrados ajudando a manter o equilíbrio da vida na Terra. Mas um fato interessante foi descoberto pela pesquisadora Amanda Koltz da universidade de Washington e outros colaboradores: a população das aranhas-lobo (assim conhecidas popularmente no Ártico) está aumentando por conta das elevadas temperaturas, pela emissão de gases do efeito estufa e pela destruição do Ártico causada pelo homem.

Individuo de Aranha-lobo cm seus filhotes em seu abdome. Foto: Amanda Koltz.

(link do artigo: http://www.pnas.org/content/early/2018/07/17/1808754115)

O fato descoberto acontecesse em cascata. Ou seja, um fato leva ao outro. O Ártico é uma região circular no norte da Terra. Nessa região as maiores temperaturas chegam somente a 10ºC negativos. Como o homem tem alterado o clima da Terra, nessas regiões está ocorrendo um aumento na temperatura fazendo com que as inúmeras camadas de gelo derretam.

Algumas dessas camadas de gelo estão fixas no solo e estão cheias de restos vegetais e pequenos animais mortos. Quando essas camadas derretem, esses materiais sofrem o processo de decomposição e esse processo pode emitir gases como o dióxido de carbono e o metano – gases do efeito estufa. Quando os fungos começam a decompor esses restos vegetais e animais, aparecem uns artrópodes chamados colêmbolos que comem esses fungos. E por sua vez, as aranhas-lobo se alimentam desses colêmbolos, delas mesmas (canibalismo) e de insetos menores que elas (lembre-se que aranhas não são insetos, aranhas são aracnídeos). 

Baseado nesse cenário, Amanda Koltz criou vários miniecossistemas artificiais no extremo norte do Alasca para tentar compreender como as mudanças climáticas poderiam interferir nessas relações entre as aranhas-lobo e seus predadores. Ela e sua equipe monitoraram esses miniecossistemas durante dois verões e registraram como a temperatura e o número de aranhas mudavam o microambiente. Os resultados mostraram que nos miniecossistemas com maior quantidade de aranhas, elas comeram menos colêmbolos.

Assim, os colêmbolos ficaram com sua população maior e comeram mais fungos, diminuindo a decomposição dos restos vegetais e animais. Dentre os miniecossistemas com maior temperatura, os que tinham mais aranhas conseguiram decompor menos do que os miniecossistemas com menos aranhas. Assim, parece que as aranhas ajudam a reverter a mudança climática no Ártico. Além disso, em ambientes com maior densidade de aranhas elas optam por se alimentar delas mesmas ao invés de comerem colêmbolos.

Miniecossistemas criados para o estudo. Foto: Amanda Koltz.

De acordo com o entomólogo (profissional que estuda insetos) Joseph Bowden, "A novidade do trabalho da Dra. Koltz é que mostra que ela (a mudança climática) não apenas tem impactos diretos nesses importantes animais que habitam no solo, como também nas complexas interações ecológicas entre as espécies do Ártico/Tundra". Amanda e sua equipe ainda não descobriram o motivo pelo qual as aranhas quando estão em alta densidade perdem seu apetite por seu principal alimento, os colêmbolos. Só sabem que a população delas está crescendo.

Você pode querer ver...
Mulher que médicos pensava estar grávida carrega cisto de 25kg
Entretenimento Há 1 semana
Mulher que médicos pensava estar grávida carrega cisto de 25kg Ela nunca notou que algo parecia estar errado, até começar a ter um tamanho maior do que qualquer um consideraria normal.
Descoberta nova bactéria na Estação Especial Internacional
Ciência Há 1 semana
Descoberta nova bactéria na Estação Especial Internacional A bactéria que não existe na Terra (ainda) é resistente a antibióticos.
Novo dinossauro brasileiro é nomeado
Entretenimento Há 1 semana
Novo dinossauro brasileiro é nomeado "Thanos" A nova criatura pré-histórica foi descoberta em São José do Rio Preto.
Banheiros do futuro poderão detectar câncer pela urina
Entretenimento Há 1 semana
Banheiros do futuro poderão detectar câncer pela urina Um dos principais métodos para testar a saúde humana é através da urina, no futuro poderemos ter estes testes em casa.
Implantes cerebrais permitem que PCDs usem a internet
Ciência Há 1 semana
Implantes cerebrais permitem que PCDs usem a internet Pacientes tetraplégicos puderam controlar tablets comerciais apenas com o cérebro.
Criadas as primeiras crianças geneticamente modificadas
Ciência Há 2 semanas
Criadas as primeiras crianças geneticamente modificadas Segundo o Cientista He Jiankui ele ajudou a criar duas gêmeas com genética modificada.
Últimas postagens
1
11 imagens que mostram o drama de esperar a namorada nas compras
2
Lembra do Knickers? Acharam um boi ainda maior do que ele
3
A história da mulher que é alérgica ao frio
4
O piloto alemão que arriscou tudo para salvar inimigos na WWII
5
9 imagens que mostram um pouco as dificuldades da paternidade
6
Mulher que médicos pensava estar grávida carrega cisto de 25kg
7
Empresa na China multa funcionários que não andam o suficiente
8
Time de futebol finge morte de jogador para adiar jogo
9
Você conhece a réplica em tamanho real da arca de Noé?
10
Descoberta nova bactéria na Estação Especial Internacional
Parceiros
Publicidade