Jovem paraplégico volta a andar após tratamento experimental

Um tratamento baseado em pulsos elétricos na medula fez o jovem voltar a poder controlar os seus membros inferiores.

Jovem paraplégico volta a andar após tratamento experimental
Escrito por: Ms Redação 25 de setembro de 2018 18h58 Comentários

Um jovem paralisado da cintura para baixo após um acidente de snowmobile fez história médica, andando de forma independente após uma cirurgia pioneira.

Médicos nos EUA usaram um eletrodo implantado abaixo do local da lesão para estimular os nervos sobreviventes na medula espinhal.

Em testes, Jered Chinnock, 29 anos, conseguiu se levantar e andar 102 metros  enquanto empurrava um andador de rodas dianteiras.

Assim que o eletrodo controlado remotamente foi desligado, ele ficou paralisado novamente.

Foi a primeira vez que o homem não identificado foi capaz de andar sozinho desde o acidente, há cinco anos.

A neurocirurgião Drº Kendall Lee, que co-liderou a equipe da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, disse: "Após o implante e a estimulação, o paciente conseguiu recuperar o controle voluntário do movimento de suas pernas.

A razão pela qual isso é importante é porque a própria mente e pensamento do paciente, foi capaz de impulsionar o movimento de suas pernas.

Tão importante quanto isso é que conseguimos fazer com que ele se levantasse de forma independente e desse seus próprios passos.

É muito emocionante, mas ainda é muito cedo na fase de pesquisa."

O homem havia sofrido uma grave lesão na medula espinhal no meio das costas, resultando na perda do movimento e da função sensorial abaixo do tronco.

Ao contrário dos nervos periféricos, os nervos da medula espinhal não conseguem se consertar.

Por esta razão, lesões na coluna vertebral são frequentemente permanentes e devastadoras, resultando em paralisia.

A técnica usada pela equipe da Mayo Clinic, descrita na revista Nature Medicine, baseou-se em uma tecnologia relativamente antiga.

O eletrodo foi adaptado de tipo de dispositivo de estimulação elétrica comumente usado para tratar a dor.

No entanto, ele teve que ser colocado em um local preciso abaixo do local da lesão e sintonizado para fornecer apenas o tipo certo de sinal.

Exatamente como o estímulo elétrico de uma medula espinhal cortada foi capaz de restaurar o movimento voluntário permanece uma questão sem resposta.

Pode depender de fibras nervosas residuais mantendo aberto um canal de comunicação com o cérebro, acreditam os cientistas.

A investigadora co-principal, Dra. Kristin Zhao, diretora do Laboratório de Tecnologia Assistiva e Restauradora da Mayo Clinic, disse: "Agora eu acho que o verdadeiro desafio começa, e isso é entender como isso aconteceu, por que aconteceu e quais pacientes responderão a esse tratamento.

 

Durante uma conferência de imprensa, os pesquisadores revelaram que um segundo paciente havia recebido o mesmo tratamento e ainda estava sendo avaliado.

Eles não estavam dispostos a discutir o progresso desse paciente.

A cirurgia foi realizada sob anestesia geral e envolveu a inserção de um eletrodo no espaço epidural, a região oca cheia de gordura ao redor da medula espinhal.

Uma bateria implantada no abdômen foi conectada ao eletrodo por meio de um fio escondido sob a pele.

Na primeira semana após a cirurgia, o paciente teve que usar um cinto para reduzir o risco de queda e ajudá-lo a recuperar o equilíbrio corporal.

Após 25 semanas, ele não precisava mais de um cinto de segurança.

Ao longo de um ano, ele alcançou conseguiu metas que incluíram caminhar 100 metros, dar 331 passos e caminhar continuamente por 16 minutos.

Embora fosse capaz de ficar de pé e andar quando quisesse, ele ainda precisava da ajuda de um andador com rodas e de ajuda ocasional da equipe de reabilitação.

Você pode querer ver...
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 2 mêss
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Pelos: por que temos?
Ciência Há 2 mêss
Pelos: por que temos? Essa pergunta foi respondida, pelos menos parcialmente, por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia que publicaram um estudo na revista científica Cell Reports.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 2 mêss
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 2 mêss
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Primeira pomada contra picada de aranha
Ciência Há 2 mêss
Primeira pomada contra picada de aranha Pesquisadores do Instituto Butatã (IB) anunciaram a produção de uma pomada capaz de salvar uma pessoa de uma picada de aranha-marrom (Loxosceles sp).
Aranha amamenta seus filhotes?
Curiosidades Há 2 mêss
Aranha amamenta seus filhotes? Pesquisadores chineses afirmam que sim. Eles descobriram que uma espécie de aranha age de modo semelhante com seus filhotes.
Últimas postagens
1
5 mortes bizarras durante o sexo
2
5 coisas proibidas na Coreia do Norte
3
As 5 profissões mais bem remuneradas da Angola
4
5 imagens que vão 'bugar' seu cérebro!
5
Animais que são parecidos com dragões
6
Piores insetos do mundo
7
Melhores posições para dormir
8
Casamento entre homem e holograma
9
Charles Darwin economista
10
Anfíbio: 'homenagem' a Donald Trump
Parceiros
Publicidade