Cientistas querem criar uma "arca de noé" para micro-organismos

A ideia é proteger o microbioma humano antes que ele deixe de existir.

Cientistas querem criar uma
Escrito por: Ms Redação 10 de outubro de 2018 22h59 Comentários

Neste exato momento, trilhões de organismos microscópicos estão vivendo em seu corpo e influenciando processos como nutrição, imunidade e atividade hormonal. Essas minúsculas bactérias, vírus e fungos são chamados de microbiota e juntos formam o microbioma humano. Agora, uma equipe de cientistas quer coletar esses vários germes de humanos ao redor do mundo no melhor estilo da Arca de Noé.

Delineando sua proposta na revista Science, os pesquisadores estão chamando-a de “o cofre da microbiota” e a comparando com a remota Svalbard Global Seed Vault, escondida dentro de uma montanha em uma ilha remota entre a Noruega e o Pólo Norte para salvar as sementes do mundo. Desta vez, eles querem coletar e enviar amostras de algumas das populações mais isoladas do mundo - particularmente as da América Latina e da África - para depois armazená-las em um “local seguro, politicamente neutro e estável” até que pesquisas futuras precisem.

É verdade que parece uma cena do filme Extermínio... mas os pesquisadores asseguram que coletar a diversidade da microbiota do mundo "antes que seja tarde demais" poderia ajudar a prevenir futuras doenças por meio da reintrodução.

"Estamos enfrentando uma crescente crise global de saúde, que exige que nós capturemos e preservemos a diversidade da microbiota humana enquanto ela ainda existe", disse a principal autora, Maria Gloria Dominguez-Bello, em um comunicado. "Esses micróbios co-evoluíram com humanos por centenas de milênios. Eles nos ajudam a digerir alimentos, fortalecer nosso sistema imunológico e proteger contra germes invasores. Durante um punhado de gerações, vimos uma enorme perda na diversidade microbiana associada a um aumento mundial de distúrbios imunológicos e outros ".

Desde o início da industrialização, as pessoas em lugares altamente urbanizados perderam a diversidade da microbiota como resultado de suprimento de água altamente processado, dietas refinadas, mudanças nas condições ambientais e desenvolvimentos médicos, como antibióticos e cuidados pós-natais modernizados. Essa perda “abre nichos para invasores oportunistas” que os humanos modernos podem ter sido protegidos graças aos microbiomas transmitidos através de milhões de anos de evolução, e poderia explicar um aumento nas doenças metabólicas, imunológicas e cognitivas como obesidade, diabetes, asma, alergias e autismo.

"Este é apenas o começo do nosso conhecimento sobre os impactos de viver em um mundo industrializado - precisamos entender melhor quais cepas nas populações humanas estão diminuindo e quais as implicações funcionais e patológicas para essas perdas", escreveram os pesquisadores.

As pessoas que não foram expostas a antibióticos e outros padrões de vida modernos ainda têm um microbioma diversificado, dizem os autores. Mas como eles vão coletar as microbiotas desses povos indígenas remotos não é descrito. Questões de coleta à parte, a equipe também precisará certificar-se de que não estão introduzindo germes nocivos.

Naturalmente, a equipe escreve que essas questões podem ser mitigadas através de um melhor gerenciamento de como usamos antibióticos e práticas médicas, bem como melhores hábitos alimentares.

Você pode querer ver...
Veja a 1ª imagem de um buraco negro da história, um verdadeiro 'monstro' maior que o Sistema Solar
Ciência Há 2 semanas
Veja a 1ª imagem de um buraco negro da história, um verdadeiro 'monstro' maior que o Sistema Solar Primeira imagem de um buraco negro é finalmente tirada e ele é considerado um verdadeiro ‘monstro’ pelos Astrônomos.
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 4 mêss
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Pelos: por que temos?
Ciência Há 4 mêss
Pelos: por que temos? Essa pergunta foi respondida, pelos menos parcialmente, por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia que publicaram um estudo na revista científica Cell Reports.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 4 mêss
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 4 mêss
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Primeira pomada contra picada de aranha
Ciência Há 4 mêss
Primeira pomada contra picada de aranha Pesquisadores do Instituto Butatã (IB) anunciaram a produção de uma pomada capaz de salvar uma pessoa de uma picada de aranha-marrom (Loxosceles sp).
Últimas postagens
1
Funcionalidades incríveis do Google Maps
2
Conheça as estrelas que são muito maiores que o Sol
3
Veja a 1ª imagem de um buraco negro da história, um verdadeiro 'monstro' maior que o Sistema Solar
4
Músicas felizes que na verdade são tristes
5
Coisas desnecessárias compradas por pessoas ricas
6
Imagens satisfatórias que você vai gostar
7
Coisas esquisitas que são ou foram proibidas em outros países
8
5 objetos nojentos que você nem imaginava
9
Conheça mais sobre o Massacre em Suzano
10
Confira como seriam alguns rappers famosos sem suas tatuagens
Parceiros
Publicidade