Cientistas conseguem uma "cura funcional" para o HIV

A cura funcional pode ser um passo muito importante para quem convive com a terrível doença.

Cientistas conseguem uma
Escrito por: Ms Redação 25 de outubro de 2017 21h40 Comentários

Com apenas uma exceção confirmada - o paciente de Berlim - ninguém foi curado do HIV ainda. É possível anular os sintomas do vírus, no entante. E também houveram vários casos em que os níveis do vírus no sangue foram essencialmente indetectáveis ??- o que significa que o paciente não pode transmitir a infecção a outra pessoa.

Embora não seja uma cura definitiva, este tipo de controle viral pode ser descrito como uma "cura funcional". Agora, parece que cientistas do campus da Florida do The Scripps Research Institute (TSRI) podem ter encontrado outra maneira de obter um.

Escrevendo na revista Cell Reports, eles explicam como um novo tipo de medicamento parece suprimir a replicação do vírus em células cronicamente infectadas. Isso evita a recuperação viral - em que os níveis de vírus em um paciente disparam após uma queda inicial - mesmo durante as interrupções do tratamento.

Isso foi descrito pela equipe como uma abordagem "Bloquear-e-Travar", na medida em que a reativação do vírus dentro das células é prevenida e o HIV no paciente entra em um estado latente, sem prejudicar o corpo.

"Ao combinar esta droga com o coquetel padrão de anti-retrovirais usado para suprimir a infecção pelo HIV-1, nosso estudo encontrou uma redução drástica no RNA presente no vírus", a professora associada do TSRI, Susana Valente, autora coordenadora do estudo, disse em um comunicado.

"Nenhum outro anti-retroviral usado na clínica hoje é capaz de suprimir completamente a produção viral em células infectadas in vivo", acrescentou.

Nos ratos testados, mostraram-se que não experimentavam uma recuperação viral por até 19 dias depois de pararem de receber doses do composto. Na metade de todos os camundongos tratados, o vírus era indetectável durante 16 dias após o tratamento parar. Imagine se o mesmo efeito pudesse ser reproduzido em pessoas HIV-positivas.

O foco da pesquisa foi um composto chamado didehydro-Cortistatin A, ou dCA para abreviar. Primeiro isolado da esponja marinha Corticum simplex em 2006, um pesquisador da TSRI conseguiu sintetizá-lo em laboratório apenas dois anos depois.

A equipe do TSRI vem trabalhando com isso há algum tempo e, em 2015, anunciou que possui características que perturbam o HIV. Este novo estudo confirma que ele bloqueia o Tat, uma proteína reguladora que aumenta a taxa em que o HIV copia DNA no RNA - um processo vital em seu ciclo de vida.

"É realmente a prova de um conceito para uma 'cura funcional' ", explicou Valente. Ela também apontou que a dose máxima do medicamento "praticamente não teve efeitos colaterais".

O HIV / AIDS costumava ser uma doença destruidora. Agora, as pessoas não podem apenas viver uma vida normal com ela, mas podem ver como a ciência está preparando o caminho para curas funcionais e completas.

Você pode querer ver...
Dynamoterror, o parente do T.rex recém descoberto
Ciência Há 4 dias
Dynamoterror, o parente do T.rex recém descoberto Conheça mais sobre o dinossauro que tem o nome mais legal de todos os tempos.
Descoberto esqueleto de garota enterrada
Curiosidades Há 4 dias
Descoberto esqueleto de garota enterrada "como vampira" no sec. 5 Era comum que antigamente os corpos fossem enterrados de forma estanha para evitar que as doenças saíssem de seu túmulo.
Pesquisa indica que vacina da tuberculose pode reverter diabetes
Ciência Há 1 semana
Pesquisa indica que vacina da tuberculose pode reverter diabetes A vacina, inventada a quase 100 anos, contém uma versão enfraquecida de um vírus capaz de melhorar o consumo do açúcar no sangue.
Imagem incrível mostra em detalhes a superfície de um cometa
Entretenimento Há 1 semana
Imagem incrível mostra em detalhes a superfície de um cometa Existe algo que é quase inexplicável sobre essa bela foto...
Pesquisa descobre um novo pequeno planeta no sistema solar
Ciência Há 1 semana
Pesquisa descobre um novo pequeno planeta no sistema solar O planetinha, ou planetóide, como você preferir, demora cerca de 40 mil anos para dar uma volta completa em torno do sol.
Estudo mostra que em seis anos  259 pessoas morreram de selfie
Entretenimento Há 5 dias
Estudo mostra que em seis anos 259 pessoas morreram de selfie Os pesquisadores ainda acreditam que podem ter acontecido muito mais mortes que não foram divulgadas.
Últimas postagens
1
Homem garante que come pizza todos os dias a 37 anos
2
Chinês dedica a sua vida a encontrar a família de desabrigados
3
Empresa está dando prêmios para funcionários que dormem bem
4
Conheça o viaduto chinês que mais parece uma montanha-russa
5
Coringa da vida real aterroriza pequena vila inglesa
6
Dynamoterror, o parente do T.rex recém descoberto
7
Descoberto esqueleto de garota enterrada "como vampira" no sec. 5
8
Ladrão pede para roubar loja antes de se entregar à polícia
9
Homem divorcia da mulher após ver fotos dela com outro no Google
10
Pesquisa indica que vacina da tuberculose pode reverter diabetes
Parceiros
Publicidade