Chuvas no deserto do Atacama foram desastrem, não milagre

Além de trazer novas vidas, a chuva acabou tirando algumas que existiam no solo árido.

Chuvas no deserto do Atacama foram desastrem, não milagre
Foto: Carlos Gonzáles Silva
Escrito por: Ms Redação 15 de novembro de 2018 19h46 Comentários

Quando as chuvas caíram no Deserto de Atacama pela primeira vez em séculos, os cientistas esperavam ver a vida florescer. Em vez disso, quase tudo morreu.

A chocante descoberta foi publicada na revista Scientific Reports esta semana. Encontrado no norte do Chile, o núcleo árido do Deserto do Atacama não sofreu chuva nos últimos 500 anos. Mas há três anos, a chuva começou a cair novamente na região.

Um clima em mudança no Oceano Pacífico resultou no clima árido do deserto experimentando chuvas em 25 de março e 9 de agosto de 2015, e choveu novamente em 7 de junho de 2017. Não houve evidência de chuva nesta região nos últimos 500 anos, embora os modelos climáticos sugiram que ela deva ocorrer a cada século.

A equipe internacional de astrobiólogos que estudou a região estava "esperando por florestações e um deserto ganhando vida", disse o co-autor do estudo, Alberto Fairén, da Cornell Ufaniversity, em um comunicado. "Em vez disso, aprendemos o contrário, pois descobrimos que a chuva no núcleo hiperárido do Deserto de Atacama causou uma extinção em massa da maioria das espécies microbianas indígenas de lá."

Antes da chuva ter caído, esta região do Atacama abrigou 16 espécies diferentes de micróbios antigos. Mas depois que a chuva caiu, apenas duas a quatro espécies ainda estavam sobrevivendo nas lagoas resultantes.

A causa do evento de extinção, que se acredita ter sido cerca de 85% da vida no solo, foi o "estresse osmótico" causado pela chegada da água, disse Fairén. Em particular, estes micróbios foram adaptados para sobreviver em condições extremas de secura. Eles não conseguiram se adaptar com rapidez suficiente ao súbito fluxo de água.

Embora tenha sido uma má notícia para o Atacama, o estudo também pode representar uma má notícia para a vida em Marte. Nós achamos que Marte tinha muita água em sua superfície em algum ponto entre 4,5 e 3,5 bilhões de anos atrás. Mas depois de perder sua atmosfera e ficar seco, provavelmente passou por períodos mais úmidos intermitentes de 3,5 a 3 bilhões de anos atrás.

“Se ainda houvesse comunidades microbianas resistentes ao processo de secagem extrema [em Marte], elas teriam sido submetidas a processos de estresse osmótico semelhantes aos que estudamos no Atacama”, disse Fairén.

O que eles estão basicamente dizendo é que o reaparecimento da água poderia ter destruído a vida em Marte, se alguma vez estivesse lá. E isso, bem, poderia pintar um quadro totalmente diferente do que sabemos sobre a vida no Sistema Solar.

Mas nem tudo é uma má notícia. A equipe também descobriu que grandes depósitos de nitratos no deserto do Atacama eram indicativos de um longo período seco, enquanto também atuavam como alimento para os micróbios. E recentemente encontramos nitratos em Marte - o que poderia estar sugerindo um processo similar lá.

Você pode querer ver...
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 3 mêss
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Pelos: por que temos?
Ciência Há 3 mêss
Pelos: por que temos? Essa pergunta foi respondida, pelos menos parcialmente, por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia que publicaram um estudo na revista científica Cell Reports.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 3 mêss
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 3 mêss
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Primeira pomada contra picada de aranha
Ciência Há 3 mêss
Primeira pomada contra picada de aranha Pesquisadores do Instituto Butatã (IB) anunciaram a produção de uma pomada capaz de salvar uma pessoa de uma picada de aranha-marrom (Loxosceles sp).
Aranha amamenta seus filhotes?
Curiosidades Há 3 mêss
Aranha amamenta seus filhotes? Pesquisadores chineses afirmam que sim. Eles descobriram que uma espécie de aranha age de modo semelhante com seus filhotes.
Últimas postagens
1
Coisas esquisitas que são ou foram proibidas em outros países
2
5 objetos nojentos que você nem imaginava
3
Conheça mais sobre o Massacre em Suzano
4
Confira como seriam alguns rappers famosos sem suas tatuagens
5
Canais bizarros no Youtube
6
A mulher que se casou com uma boneca zumbi
7
5 mortes bizarras durante o sexo
8
5 coisas proibidas na Coreia do Norte
9
As 5 profissões mais bem remuneradas da Angola
10
5 imagens que vão 'bugar' seu cérebro!
Parceiros
Publicidade