Você sabe da vez que a marinha inglesa fez um navio de gelo?

O super navio de gelo seria a arma que venceria os alemãs na guerra do Alântico.

Você sabe da vez que a marinha inglesa fez um navio de gelo?
Escrito por: Ms Redação 18 de abril de 2018 16h02 Comentários

Um cientista britânico chamado Geoffrey Pyke, que trabalhou no Quartel-General das Operações Combinadas como assessor do Chefe, Lord Mountbatten, teve uma ideia fantástica: fazer um porta-aviões de gelo. O gelo é duro, ele não afunda e qualquer dano pode ser facilmente reparado no local apenas congelando novos pedaços de gelo no lugar.

Pyke, que tinha uma queda por ideias ultrajantes, sugeriu que um grande pedaço de iceberg ártico fosse cortado e rebocado no oceano. Com a superfície nivelada, o gelo serviria como plataforma de aterrissagem e, se conseguissem escavar o centro, forneceria um local ideal para abrigar aeronaves.

De alguma forma, Pyke conseguiu vender a ideia a Lord Mountbatten, que conseguiu convencer Winston Churchill de que a guerra poderia ser ganha com gelo. Churchill deu sinal verde e o projeto recebeu o codinome de “Projeto Habacuque”, uma referência a um verso do livro bíblico de Habacuque: “... fique totalmente surpreso, pois vou fazer algo em seus dias que você não faria acredite, mesmo se lhe dissessem. " (Habacuque 1:5, NVI)

O porta-aviões que Pyke imaginou deveria ter 600 metros de comprimento, 90 de largura e pesar mais de 2 milhões de toneladas. O casco à prova de torpedos teria 12 metros de espessura. Ele seria equipado com 40 torretas de cano duplo e numerosos canhões antiaéreos leves. A pista poderia acomodar até 150 bombardeiros bimotores ou aviões de combate. Houve um grande problema: o gelo derrete. Mas Geoffrey Pyke tinha uma solução para isso também. Um sistema de resfriamento maciço, consistindo de uma complexa rede de tubos, bombearia gás refrigerante por todo o navio para evitar que o gelo derretesse.

Arte coneceitual do Habacuque.

Em pouco tempo, um protótipo de 60 metros de comprimento e 1.000 toneladas foi construído em Patricia Lake, nas Montanhas Rochosas canadenses. Um sistema de refrigeração de um cavalo de potência manteve o navio suficientemente frio para durar durante os meses de verão.

Durante os testes, alguns novos problemas surgiram. Embora o gelo seja duro, é frágil. Além disso, o gelo deforma-se sob pressão e um navio do tamanho do Habacuque cederia sob seu próprio peso. Por uma feliz chance, dois pesquisadores do Instituto Politécnico de Brooklyn, em Nova York, fizeram um grande avanço. Eles descobriram que, se partículas de madeira ou a serragem fosse misturada com água e congelada, o material resultante era catorze vezes mais forte que o gelo comum e mais resistente que o concreto.

Experimentos mostraram que este novo material era altamente resistente a compressão, lascas e até projéteis. O material podia ser usinado como madeira e fundido em formas como metal, e quando imerso em água, formava uma camada isolante de polpa de madeira úmida em sua superfície que protegia seu interior do derretimento. Este material maravilhoso foi nomeado pykrete, em homenagem a Pyke.

O material milagroso era exatamente o que Geoffrey Pyke precisava para o sucesso do Projeto Habacuque. Desenhos e planos para a construção do porta-aviões foram apressados. Cada navio Habacuque, como foi determinado, exigiria 300.000 toneladas de polpa de celulose, 25.000 toneladas de isolamento de painéis de fibras, 35.000 toneladas de madeira e 10.000 toneladas de aço. O custo original foi fixado em £700.000.

Mas à medida que o design avançava, tornou-se óbvio que seriam necessários mais reforços de aço, bem como isolamento mais efetivo, e a estimativa de custo subiu para 2,5 milhões de libras (mais de 100 milhões de libras em dinheiro de hoje). A direção também levantou alguns problemas. Um navio tão grande teria manobrabilidade limitada e velocidade máxima de apenas 6 nós, que a Marinha decidiu que era muito lenta.

Mas o maior problema era a matéria-prima em si. Como o aço, a madeira em si era escassa e construir até mesmo um Habacuque afetaria seriamente a produção de papel. Acrescente a isso a complexidade de construir, isolar e refrigerar uma estrutura tão grande que exigiria tempo e mão de obra que nenhum dos Aliados poderia pagar.

Eventualmente, o Projecto Habacuque foi desmantelado e medidas mais práticas foram tomadas, como a criação de campos de aviação nos Açores, o que facilitou a caça de submarinos no Atlântico, acrescentando tanques de combustível maiores a aviões britânicos para prolongar o tempo de patrulha sobre o Atlântico e aumentando o número de portadores de escolta.

Hoje, os únicos restos tangíveis do Projeto Habacuque estão no fundo do lago Patricia, em Alberta, Canadá, onde o protótipo foi testado. Uma expedição de mergulho ao local em 1985 encontrou as paredes de madeira do casco, uma incrível mistura de dutos de ar frio, juntamente com uma grande quantidade de betume usado como parte do isolamento, e uma placa subaquática comemorando o projeto.

Restos do projeto no fundo do lago Patrícia. 

Você pode querer ver...
Mileva, o braço direito de Einstein
Curiosidades Há 16 horas
Mileva, o braço direito de Einstein Conheça um pouco mais sobre a Mileva, uma mulher muito importante na vida e carreira de Albert Einstein.
Tartarugas marinhas são infiéis
Curiosidades Há 16 horas
Tartarugas marinhas são infiéis Estudo realizado derruba um mito por trás das tartarugas marinhas. Confira o que foi possível observar com o estudo.
Miopia: como ter uma visão melhor?
Curiosidades Há 1 dia
Miopia: como ter uma visão melhor? Está com a vista cansada? Descubra como você pode melhorar sua visão sem gastar horrores!
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo
Curiosidades Há 1 dia
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo Estudo publicado na revista científica BMJ sugeriu que um risco de ataques cardíacos aumenta em 15% no período de Natal. Confira!
Que palavras nos tornam humanos?
Curiosidades Há 2 dias
Que palavras nos tornam humanos? Experimento realizado para entender nosso comportamento coloca em debate o que nos faz ser humanos. Confira!
Farout: o planeta cor-de-rosa
Curiosidades Há 2 dias
Farout: o planeta cor-de-rosa Conheça o Farout, um planeta cor-de-rosa que está à 18 bilhões de quilômetros da Terra.
Últimas postagens
1
Mileva, o braço direito de Einstein
2
Tartarugas marinhas são infiéis
3
Miopia: como ter uma visão melhor?
4
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo
5
Que palavras nos tornam humanos?
6
Farout: o planeta cor-de-rosa
7
Botas de fungos e suor
8
A formiga drácula: mandíbulas mais potentes do mundo
9
Natal: como não engordar nessa época?
10
Pelos: por que temos?
Parceiros
Publicidade