Não é impressão: A música Pop está cada vez mais triste

A Ciência comprovou que as músicas estão cada vez mais melancólicas.

Não é impressão: A música Pop está cada vez mais triste
Escrito por: Ms Redação 18 de maio de 2018 20h24 Comentários

Em 1985, David Bowie e Mick Jagger lançaram “Dancing in the Street”. A música do Talking Heads, “Road to Nowhere”, tocou em rádios. Katrina and the Waves estavam cantando "Walking on Sunshine". Compare isso com 2015, quando as vozes mais mal-humoradas de Hozier, Adele e Sam Smith estavam no topo das paradas.

Você não está imaginando coisas - as músicas pop hoje são mais tristes do que costumavam ser, o que talvez seja adequado, dada toda a desgraça e tristeza em torno de coisas como, você sabe, mudança climática, guerra nuclear, Trump e Brexit.

De acordo com um artigo publicado recentemente na Royal Society Open Science, a música está se tornando cada vez mais melancólica, mas, estranhamente, mais dançante. Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Irvine chegaram a essa conclusão depois de analisar as tendências musicais entre 1985 e 2015, usando os top 100 do Reino Unido e dois grandes conjuntos de dados de bibliotecas de música on-line (MusicBrainz e AcousticBrainz).

Eles combinavam o sucesso das músicas com suas características acústicas e líricas, observando, por exemplo, coisas como humor, ritmo, brilho, tonalidade e danceabilidade.

Em geral, eles descobriram que as músicas populares hoje são visivelmente menos alegres e felizes do que costumavam ser. Isso combinado cria uma ligeira tendência de ascensão para músicas tristes.

“Em particular, foi relatado que as letras de música popular agora incluem mais palavras relacionadas a um foco em si mesmo (por exemplo, pronomes de primeira pessoa singular), menos palavras descrevendo companheirismo e contato social (por exemplo, nomes de primeira pessoa do plural) e mais palavras anti-sociais (por exemplo, 'ódio', 'matar', etc.) ”, escrevem os autores do estudo, que, eles acrescentam, parece se encaixar em tendências maiores, mostrando maior solidão, isolamento social e psicopatologia.

O estudo também descobriu que as músicas estão se tornando mais "femininas" e são mais altas em um aspecto que elas chamam de "descontração". A "dançabilidade" aumentou desde os anos 80, algo que poderia estar ligado a uma preferência por música "eletrônica" e "atonal".

Mas, curiosamente, embora tenha havido uma ampla mudança para melodias mais melancólicas, as músicas mais bem-sucedidas tendem a ser mais felizes, mais brilhantes e mais "festivais" do que a média. Isso faz todo o sentido quando você considera o fato de que "Happy" (Pharrell Williams) e "Uptown Funk" (Mark Ronson com Bruno Mars) liderou as paradas do Reino Unido em 2014 e 2015.

"O público parece preferir músicas mais felizes, apesar de cada vez mais músicas infelizes serem lançadas a cada ano", acrescentam os autores do estudo.

Embora mudanças sociais mais amplas, como a economia e o clima político, possam influenciar nossas preferências musicais, é importante ter em mente que a forma como consumimos música mudou drasticamente nos últimos 30 anos.

“Os gráficos são muito menos importantes agora que a grande quantidade de música disponível para o ouvinte médio é maior do que era em 1985”, Adam Behr escreveu em uma artigo para The Conversation.

Você pode querer ver...
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 3 mêss
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Pelos: por que temos?
Ciência Há 3 mêss
Pelos: por que temos? Essa pergunta foi respondida, pelos menos parcialmente, por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia que publicaram um estudo na revista científica Cell Reports.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 3 mêss
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 3 mêss
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Primeira pomada contra picada de aranha
Ciência Há 3 mêss
Primeira pomada contra picada de aranha Pesquisadores do Instituto Butatã (IB) anunciaram a produção de uma pomada capaz de salvar uma pessoa de uma picada de aranha-marrom (Loxosceles sp).
Aranha amamenta seus filhotes?
Curiosidades Há 3 mêss
Aranha amamenta seus filhotes? Pesquisadores chineses afirmam que sim. Eles descobriram que uma espécie de aranha age de modo semelhante com seus filhotes.
Últimas postagens
1
Coisas esquisitas que são ou foram proibidas em outros países
2
5 objetos nojentos que você nem imaginava
3
Conheça mais sobre o Massacre em Suzano
4
Confira como seriam alguns rappers famosos sem suas tatuagens
5
Canais bizarros no Youtube
6
A mulher que se casou com uma boneca zumbi
7
5 mortes bizarras durante o sexo
8
5 coisas proibidas na Coreia do Norte
9
As 5 profissões mais bem remuneradas da Angola
10
5 imagens que vão 'bugar' seu cérebro!
Parceiros
Publicidade