A história da mulher que foi ao julgamento do seu assassino

Algumas histórias são mais malucas do que final de novela...

A história da mulher que foi ao julgamento do seu assassino
Escrito por: Ms Redação 09 de setembro de 2018 14h27 Comentários

Julgamentos criminais reais não são como os filmes. Os advogados de defesa não anunciam provas de última hora antes do júri ler o veredicto. Mas em 2003, um julgamento por assassinato superou muitos finais de novela.

Os promotores australianos tinham tudo o que precisavam para culpar um suspeito por um crime gravíssimo. Na verdade, eles estavam no meio de apresentar seu caso quando alguém se levantou e fez um grande anúncio que transformou o julgamento em uma cena nunca antes.

Natasha Ryan, de Rockhampton, na Austrália, teve dificuldades nos primeiros anos de adolescência. Ela experimentou drogas, cortou seus pulsos e foi suspensa da escola. Em 1995, ela fugiu de casa.

As autoridades a encontraram dois dias depois, hospedada em um hotel. O namorado dela, Scott Black, havia ajudado ela a comprar passagens de avião, alegando que ela ameaçou se matar e ele estava protegendo-a. Anos depois, em 31 de agosto de 1998, ela desapareceu novamente.

Naquela manhã, sua mãe a deixou na escola, mas a adolescente problemática nunca apareceu na aula. Mais uma vez, as autoridades procuraram por Natasha, verificando primeiro, claro, com Scott Black.

Ele alegou que não a viu. Na verdade, ninguém tinha visto ela em momento algum. A polícia lançou uma investigação que custou cerca de $400.000 para determinar as causas do seu desaparecimento. Mais de 100 habitantes locais ofereceram seu tempo livre para ajudar nas buscas. Eles não encontraram nada.

Com o passar do tempo, os policiais começaram a suspeitar do pior quando outras quatro mulheres foram encontradas mortas na área, incluindo Keyra Steinhardt, de nove anos de idade (Na foto emoldurada). Será que Natasha logo apareceria morta também?

As autoridades eventualmente prenderam Leonard John Fraser pelos assassinatos em série das outras quatro garotas. Fraser passou 20 dos últimos 22 anos na prisão por crimes contra as mulheres. A ideia de ser preso com outros criminosos o aterrorizava.

A especulação sugeria que, para evitar ser preso com o resto da população carceraria, Fraser também confessou outro assassinato: o de Natasha. Depois disso, seu pai, Robert Ryan, aceitou a confissão.

No que seria o 17º aniversário de Natasha, 70 de seus entes queridos lançaram balões logo de manhã para celebrar sua vida. Passaram até um vídeo com ela vestida de dama de honra no segundo casamento de seu pai.

Para responder por seus crimes, Fraser enfrentou a Suprema Corte de Queensland, em Brisbane, onde testemunhas lembraram ter visto Natasha com Fraser antes de seu desaparecimento ...até que o promotor da polícia fez um anúncio.

Em 11 de abril de 2003, o promotor Paul Rutledge se levantou no meio do julgamento e anunciou que Fraser não era culpado de assassinar Natasha. No anúncio, o pai da menina desaparecida desmaiou.

O que aconteceu foi que, alguns dias antes, as autoridades receberam uma carta anônima. A nota dizia: "Natasha Ryan está viva e bem." A nota fornecia um número de telefone para ligar para ela. Então a polícia usou o número de telefone para rastrear a localização.

Em 10 de abril, a polícia invadiu uma casa em North Rockhampton. A casa pertencia a ninguém menos que o namorado de longa data de Natasha, Scott Black. Lá, eles encontraram Natasha Ryan exatamente como a nota descreveu: viva e bem.

Autoridades, membros da família e até mesmo uma cidade envolvida em seu desaparecimento queriam respostas. Nos cinco anos anteriores, ela morou com Scott - por opção - em uma casa de praia em Yeppoon, Queensland…

Então, 20 dias após o anúncio do julgamento de Paul Rutledge, Natasha compareceu ao seu próprio julgamento por homicídio. Ela testemunhou que nunca conheceu Fraser e que as testemunhas estavam erradas.

Autoridades sentenciaram Scott a três anos de prisão por perjúrio; Afinal de contas, ele insistiu para os investigadores que ele não fazia ideia de onde estava Natasha. Natasha pagou uma multa de $1.000 por causar uma investigação policial falsa.

 

 

 

Você pode querer ver...
Mileva, o braço direito de Einstein
Curiosidades Há 1 dia
Mileva, o braço direito de Einstein Conheça um pouco mais sobre a Mileva, uma mulher muito importante na vida e carreira de Albert Einstein.
Tartarugas marinhas são infiéis
Curiosidades Há 1 dia
Tartarugas marinhas são infiéis Estudo realizado derruba um mito por trás das tartarugas marinhas. Confira o que foi possível observar com o estudo.
Miopia: como ter uma visão melhor?
Curiosidades Há 2 dias
Miopia: como ter uma visão melhor? Está com a vista cansada? Descubra como você pode melhorar sua visão sem gastar horrores!
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo
Curiosidades Há 2 dias
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo Estudo publicado na revista científica BMJ sugeriu que um risco de ataques cardíacos aumenta em 15% no período de Natal. Confira!
Que palavras nos tornam humanos?
Curiosidades Há 3 dias
Que palavras nos tornam humanos? Experimento realizado para entender nosso comportamento coloca em debate o que nos faz ser humanos. Confira!
Farout: o planeta cor-de-rosa
Curiosidades Há 3 dias
Farout: o planeta cor-de-rosa Conheça o Farout, um planeta cor-de-rosa que está à 18 bilhões de quilômetros da Terra.
Últimas postagens
1
Mileva, o braço direito de Einstein
2
Tartarugas marinhas são infiéis
3
Miopia: como ter uma visão melhor?
4
Ataques cardíacos no Natal e Ano Novo
5
Que palavras nos tornam humanos?
6
Farout: o planeta cor-de-rosa
7
Botas de fungos e suor
8
A formiga drácula: mandíbulas mais potentes do mundo
9
Natal: como não engordar nessa época?
10
Pelos: por que temos?
Parceiros
Publicidade