A evolução pode nos deixar intolerante a álcool

Já pensou morrer por causa de uma cervinha?

A evolução pode nos deixar intolerante a álcool
Escrito por: Ms Redação 20 de fevereiro de 2018 22h40 Comentários

Estudos recentes demonstraram que ainda estamos evoluindo e agora, uma nova pesquisa publicada na Nature Ecology and Evolution sugere que podemos desenvolver um gene que destrua nossa tolerância ao álcool.

Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia analisaram os genomas de cerca de 2.500 pessoas de 26 populações em quatro continentes usando dados coletados pelo projeto de mil genomas. A equipe identificou características específicas ou "hotspots genômicos" que aparecem em várias populações divergentes - digamos, mudanças em uma área do gene responsável pela produção de glicophorinas, que ocorreu em partes da África e da Ásia. Para que isso tenha acontecido, a mutação deve ter surgido de forma independente nestas duas populações diferentes e persistiu.

"O que este novo estudo mostra é que a seleção também tende a fazer alguns genes semelhantes entre as populações", disse John Hawks, da Universidade de Wisconsin-Madison, ao New Scientist, "para ajudar as pessoas a se adaptar às mudanças recentes em nossas ecologias".

No estudo, os pesquisadores destacam cinco áreas de mudanças recentes. Isso inclui a adaptação ao conjunto de genes da glicophorina - que tem sido associada à resistência à malária - na Ásia e África, duas áreas onde a doença transmitida pelo mosquito representa um grave risco para a saúde. Na Europa, a equipe notou um aumento nos genes relacionados à degradação de um aminoácido chamado homocisteína, que em níveis elevados pode causar doenças cardíacas. Enquanto isso, as cinco populações africanas estudadas apresentaram mudanças em um gene que afeta o posicionamento da abertura uretral (DGKK) e, em populações não africanas, parece haver seleção positiva para dois genomas herdados de nossos vizinhos de Neanderthal.

Mais interessante, talvez, sejam as modificações no cluster de álcool desidrogenase (ADH), que podem estar mudando a maneira como processamos o álcool. A desidrogenase é a enzima que quebra o álcool metabolizando-o em um composto chamado acetaldeído. Este produto químico tóxico é responsável por sua dor de cabeça batendo a manhã toda após uma noite de farra. Felizmente, o corpo é capaz de transformar isso em outra substância que não é tóxica, chamada acetato, relativamente rápido e nos sentimos melhores após um dia ou mais.

No entanto, a evolução poderia encontrar uma maneira de reduzir o vício do álcool da humanidade criando novas variantes do ADH que afetam nossa tolerância às bebidas e a capacidade do nosso corpo de converter o acetaldeído em acetato. Essencialmente, significa que nos ficaríamos doentes depois de apenas uma pequena quantidade de bebida.

Até agora, esses genes só foram detectados no Leste Asiático e na África Ocidental, mas o tempo indicará até onde eles se espalharam.

Você pode querer ver...
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 3 dias
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 3 dias
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 4 dias
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Aranha amamenta seus filhotes?
Curiosidades Há 1 hora
Aranha amamenta seus filhotes? Pesquisadores chineses afirmam que sim. Eles descobriram que uma espécie de aranha age de modo semelhante com seus filhotes.
Bactérias, novas aliadas na luta contra o Câncer?
Ciência Há 1 dia
Bactérias, novas aliadas na luta contra o Câncer? Em 2014 um grupo de pesquisadores encontraram uma bactéria que produzia alguns compostos que inibiam o desenvolvimento de gliomas, um tipo de tumor/câncer.
Peixes que curam corações
Curiosidades Há 2 dias
Peixes que curam corações Os pesquisadores descobriram que em partes do genoma do peixe existe um mecanismo que é capaz de regenerar tecidos cardíacos, ou seja, pode recuperar o tecido danificado de um coração.
Últimas postagens
1
Natal: como não engordar nessa época?
2
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
3
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
4
Aranha amamenta seus filhotes?
5
Bactérias, novas aliadas na luta contra o Câncer?
6
Peixes que curam corações
7
Casais parecidos são mais bem sucedidos?
8
Descoberto novo planeta parecido com a Terra
9
11 imagens que mostram o drama de esperar a namorada nas compras
10
Lembra do Knickers? Acharam um boi ainda maior do que ele
Parceiros
Publicidade