5 maneiras em que os seres humanos evoluíram recentemente

A evolução acontece todos os dias e você pode ser prova disso.

5 maneiras em que os seres humanos evoluíram recentemente
Escrito por: Ms Redação 16 de abril de 2018 16h11 Comentários

Quando aprendemos sobre evolução na escola, parece algo antigo e muito lento. Mas a evolução ainda está acontecendo até hoje - e está acontecendo conosco.

Aqui e agora.

É muito cedo para dizer como serão os humanos daqui a alguns milhares de anos, mas aqui estão algumas das peculiaridades mais recentes que adquirimos graças ao poder da seleção natural e da evolução.

Beber leite depois da infância adulto

Beber leite é um dos traços definidores dos mamíferos, mas os seres humanos são a única espécie na Terra que podem digeri-lo depois da infância. Mesmo que mais de 75% da população mundial ainda seja intolerante à lactose.

Após o desmame, todos os outros mamíferos, e a maioria dos humanos, deixam de produzir lactase, a enzima necessária para decompor a lactose, o açúcar do leite.

Mas uma mutação que apareceu nas planícies da Hungria cerca de 7.500 anos atrás permitiu que alguns humanos digerissem leite até a idade adulta. Nós provavelmente começamos com os queijos e fomos evoluindo para o leite fresco. Atualmente isso pode não parecer tão importante, mas a milhares de anos atrás, poder consumir derivados do leite com alta taxa de gordura ajudou os humanos a sobreviver em lugares gelados.

Olhos azuis

Os olhos azuis são outro traço de evolução recente e os cientistas determinaram que veio de uma mutação em um único ancestral de 6.000 a 10.000 anos atrás.

A mutação afetou o gene OCA2, que codifica a proteína necessária para a produção de melanina, que dá cor à nossa pele, cabelo e olhos. A evolução essencialmente "desligou" a capacidade de ter olhos castanhos, limitando a melanina produzida na íris, e "diluindo" a cor dos olhos de marrom para azul

Respiração em alta altitude

Os tibetanos vivem em uma das áreas menos hospitaleiras e, portanto, uma das últimas áreas povoadas do planeta: as montanhas do Himalaia. E sua capacidade de lidar com os baixos níveis de oxigênio lá em cima não é devido à mera robustez - é codificada em seus genes.

Um estudo comparou os tibetanos indígenas, que vivem em altitudes acima de 10.000 pés nas terras altas do Himalaia, com chineses han de Pequim, que estão intimamente relacionados geneticamente, mas vivem perto do nível do mar.

Os pesquisadores descobriram que o sangue dos tibetanos era geneticamente predisposto a produzir mais proteína de hemoglobina transportadora de oxigênio.

Dentes do siso faltando

Não são apenas os cirurgiões bucais que estão removendo os dentes do siso (terceiros molares) das bocas humanas - a evolução também está desempenhando um papel importante nesta tarefa.

Em nosso caminho evolucionário para se tornar humanos, nossos cérebros cresceram e encheram nossos crânios e estreitaram nossas mandíbulas, tornando difícil para a terceira linha de molares emergir das gengivas.

Há alguns milhares de anos, surgiu uma mutação que impedia o crescimento dos dentes do siso. Agora, uma em cada quatro pessoas não tem pelo menos um dente do siso. As pessoas com maior probabilidade de perder pelo menos um dente do siso são os Inuit das regiões mais ao norte da Groenlândia, Canadá e Alasca.

Cérebros Encolhendo

Nós gostamos bastante de falar sobre o tamanho dos nossos cérebros em relação aos outros animais, mas na verdade eles estão encolhendo há mais de 20.000 anos. A perda total resulta em uma soma que equivale ao tamanho de uma bola de tênis em um homem adulto. Mas os cientistas não acham que isso significa que estamos ficando mais burros.

Uma teoria é que cada um de nós depende mais da estrutura social para nos ajudar a sobreviver, de modo que não precisamos de tanto espaço cerebral como indivíduos. Mas à medida que domesticamos animais como gatos e cachorros, também observamos seus cérebros encolherem. Isso significa que alguns cientistas acham que cérebros menores podem ser sinais de animais mais pacíficos. Basicamente, estamos nos domesticando.

Você pode querer ver...
Natal: como não engordar nessa época?
Curiosidades Há 4 dias
Natal: como não engordar nessa época? De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas, se você prestar atenção em dicas simples sem exagerar nas bebidas e comidas o ganho de peso é muito menor no fim de ano.
Pelos: por que temos?
Ciência Há 17 horas
Pelos: por que temos? Essa pergunta foi respondida, pelos menos parcialmente, por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia que publicaram um estudo na revista científica Cell Reports.
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
Curiosidades Há 4 dias
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas De acordo com os autores, os resultados são animadores e que pretendem disponibilizar para download até o fim do primeiro semestre de 2019.
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
Curiosidades Há 5 dias
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra? O estudo demonstra que esses planetas sejam rochosos, havendo um equilíbrio para a existência de vida nesses planetas.
Primeira pomada contra picada de aranha
Ciência Há 18 horas
Primeira pomada contra picada de aranha Pesquisadores do Instituto Butatã (IB) anunciaram a produção de uma pomada capaz de salvar uma pessoa de uma picada de aranha-marrom (Loxosceles sp).
Aranha amamenta seus filhotes?
Curiosidades Há 1 dia
Aranha amamenta seus filhotes? Pesquisadores chineses afirmam que sim. Eles descobriram que uma espécie de aranha age de modo semelhante com seus filhotes.
Últimas postagens
1
Natal: como não engordar nessa época?
2
Pelos: por que temos?
3
Aplicativo promete detectar anemia sem agulhas
4
Novos sóis e novos planetas: vida fora da Terra?
5
Primeira pomada contra picada de aranha
6
Aranha amamenta seus filhotes?
7
Bactérias, novas aliadas na luta contra o Câncer?
8
Peixes que curam corações
9
Casais parecidos são mais bem sucedidos?
10
Descoberto novo planeta parecido com a Terra
Parceiros
Publicidade